Nióbio, grafeno e lítio brasileiros interessam ao Japão

CBPM vai licitar projeto em Ibipitanga
26 de setembro de 2019
Vale obtém aval para retomar operação de mina em Mariana
12 de novembro de 2019

A principal empresa global de nióbio é a Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM), detendo 76% do comércio mundial. O metal é usado para aumentar as propriedades do aço, garantindo a fabricação de automóveis mais leves, de tubulações mais seguras para o transporte de gás, além de infraestrutura e construção civil de uma forma mais segura e sustentável. Um consórcio japonês-coreano, liderado pela japonesa Sojitz, pagou US$ 1,95 bilhão, em 2011, por uma fatia de 15% da CBMM.

A empresa japonesa Toshiba possui uma parceria com a CBMM para a produção de baterias automotivas de recarga ultra-rápida, já prevendo a ampliação do mercado mundial de nióbio. A ideia é produzir essas baterias ultra-rápidas e com alta densidade energética, dois itens essenciais na indústria automotiva atual diante da busca crescente por veículos elétricos que utilizam baterias recarregáveis. Conforme a companhia brasileira, o uso do nióbio permite baterias mais seguras e duráveis, além de tempos recordes de recarga. A Toshiba pretende iniciar a fase de homologação e pré-comercialização com as montadoras no começo de 2021.

Segundo algumas fontes, o grafeno não deve demorar a promover negócios no Brasil. Trata-se de um metal que pode revolucionar a indústria tecnológica como um todo por causa da sua resistência, transparência, leveza, flexibilidade, além de ser um ótimo condutor de eletricidade.

Já o lítio, que também é utilizado em baterias para carros elétricos, a Mitsui investiu US$ 30 milhões, em 2019, em uma área brasileira que é explorada pela Sigma Lithium Resources. Em troca, ela receberá 25% da produção inicial de 220 mil toneladas por ano.

O Brasil quer aproveitar ainda o fato de o Japão passar, no momento, por uma transição de sua matriz energética para uma composição mais limpa. O etanol de segunda geração, por exemplo, desenvolvido atualmente em solo brasileiro, é mais eficiente, menos poluente e está mais apto aos novos modelos de automóveis com propulsão elétrica.

A relação entre motores elétricos e o etanol de segunda geração faz parte da cooperação científica.

entre as universidades Unicamp e USP com a Nissan do Brasil. A Toyota, segundo o embaixador da marca, anunciou o investimento de R$ 1 bilhão no Brasil para a produção de automóveis elétricos com tanques complementares de etanol. As informações são do Valor Econômico.

Fonte: https://www.noticiasdemineracao.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?